sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Edifício de um andar feito em adobe, na aldeia de Evale-Guerra. Deus é angolano.

     Esta é uma casa muito engraçada mas não é uma casa qualquer. Além de tecto fixo com pedras, tem algo de singular. Ela é todinha feita em adobe, num incrível desafio  à perspicácia dos mais arrojados engenheiros de construção civil. E o responsável disso tudo, é um anónimo cidadão nacional da aldeia de Evale-Guerra, na estrada entre o Lobito e o Sumbe. Um dia ele foi à cidade e reparou que existem edifícios de vários andares. "Como deve ser bom viver lá em cima, abrir a janela e conversar com Deus e tocar os anjos", terá pensado. E se bem o pensou, melhor o fez. Voltou para a aldeia e meteu mão à obra, tudo com material local. Não empregou betão nem ferragens. E está lá, na varanda o emblema da Coca-Cola, símbolo da globalização. As chapas da cobertura não necessitaram de grampos para fixarem. Prá quê? Tem tanta pedregulho espalhado pelo chão... Tudo a natureza dá, só temos de esticar o braço.

Neste pormenor, está patente como o nosso engenheiro resolveu o problema da placa de betão que geralmente se usa para o suporte dos pisos superiores. Cortou alguns trocos na mata, ao lado do rio e assim fabricou o soalho, na parte habitável. Muita criatividade. Nessa espécie de janela já foi aplicado um calço (Um tronco, diga-se) a fim de suportar a curvatura provocada pelo peso da estrutura. É notório o efeito da erosão nos blocos de argila.  Será que o nosso espevitado amigo fez bem os seus cálculos? Deus é angolano, ninguém duvida.

2 comentários:

Té la mà Maria - Reus disse...

very good blog, congratulations
regard from Reus Catalonia
thank you

Francisco Caldeira disse...

Meu mano!! Assim te chamo e sempre chamarei, desde nossas aventuras ainda adolescentes em NOVO REDONDO, nosso primeiro combate, (os guerrilhiros mais jovens na altura) onde combinava-mos as Pepechas e Kalaxinicove com os diquitoys(é assim que escrevia-mos) as garrafas de Gim pr o Paulino e Explode dos Esquqdrões Kwenha e as colunas na então perigosa rota Sumbe Lobito, atravessando a famosa Canjala, as colunas dos corredores da Paz pela Unilog e posteriormente PAM, enfim as histórias deste pais e povo que numca serão contadas...Bem haja este teu blog que pelo menos não deixa tudo isso no esquecimento, força irmão estamos juntos...